Nota de esclarecimento – Campanha Teatro Para Todos

Em nota da assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Cultura, publicada no Globo on line, foi dito que “em gestão pública não existe acordo verbal”. Bom, nós produtores culturais, cumprimos nossos acordos verbais. No dia 17 de janeiro, em reunião na casa do poeta Geraldo Carneiro, houve um encontro de 4 produtores do colegiado da APTR – Norma Thiré, Bianca De Felippes, Nando Libonati e Eduarda Barata –, no qual a recém-empossada secretária, “explicou seus planos á frente da pasta”. Na ocasião, Nilcemar reconheceu a importância da Campanha Teatro Para Todos e prometeu dar continuidade ao projeto em 2017.

Reunião realizada em 17 de Janeiro de 2017

 

 

 

 

 

 

Seguindo orientação da secretaria e de seus assessores, em junho, protocolamos todos os documentos encaminhados para abertura de processo do patrocínio da campanha. Como até agosto o processo não andava, nem ganhava número, fomos ao encontro da secretária para falar sobre a Campanha.

Protocolo de envio de documentos para abertura do processo de patrocínio em 28/06/2017

A nota diz ainda que “em 22 de agosto último, a diretoria da APTR foi recebida pela secretária municipal de cultura, Nilcemar Nogueira, em seu gabinete. Na ocasião, ao entregar uma placa de agradecimento à secretária (pelo patrocínio ao Prêmio APTR), foi dito claramente à diretoria da associação que este ano não seria possível patrocinar o projeto Teatro Para Todos. Portanto, diferentemente do que afirma o comunicado da APTR, não houve nenhum tipo de compromisso verbal da SMC em relação ao projeto”.

 

Book de fotos e pendrive entregues à Secretária em 22 de Agosto de 2017

No entanto, o fato é: fomos recebidos pelos gestores da SMC – André Marini, Vagner Fernandes e Carlos Corrêa. Aguardamos um pouco mais de duas horas até a chegada da secretária Nilcemar. Nunca entregamos uma placa de agradecimento e sim um book e um pendrive com fotos e imagens do prêmio, uma espécie de relatório, já que a secretária não esteve presente no evento. Mais cedo, no mesmo dia, Nilcemar havia se encontrado com a secretária de fazenda do Município e nos informou sobre o crítico cenário financeiro do município e da pasta de cultura, mas que ainda assim, não desistiria de tentar apoiar a Campanha.

Reunião com a Secretária em 22 de Agosto de 2017

Na mesma nota, a assessoria comunicou que “reconhece a importância do teatro para cultura da cidade, tanto que patrocinou a edição 2017 do Prêmio APTR, com cessão gratuita do Centro Municipal João Nogueira – Imperator, onde, em abril, aconteceu a premiação”. Para esclarecimento: a edição 2016 do Prêmio APTR, realmente aconteceu em abril de 2017, no Imperator. Porém, o valor aportado pela prefeitura foi de 100 mil e não 150 mil. Informamos, ainda, que em todas as edições do APTR, que aconteceram no Imperator e no Carlos Gomes, nunca nos foi cobrado, absolutamente nada.

Publicação do extrato contratual em 18 de Abril de 2017

Comunicado sobre o cancelamento da Campanha Teatro Para Todos 2017

COMUNICADO

A Associação dos Produtores de Teatro – APTR – torna público o cancelamento da Campanha TEATRO PARA TODOS 2017 e oficializa o motivo: o não cumprimento da promessa verbal da Secretaria Municipal de Cultura em patrocinar a única ação de popularização de ingressos e acesso ao teatro, no Rio de Janeiro.

A Prefeitura foi, em sete edições, a principal patrocinadora do Teatro Para Todos, evento que já faz parte do calendário cultural da cidade e é aguardado ansiosamente, ao final de cada ano, pelo cidadão carioca.
Lançada em dezembro de 2003, a Campanha tem como principais objetivos: fomentar e revitalizar o público; possibilitar a cobrança do ingresso com valor menor do que a meia-entrada; estimular a frequência nos teatros, nos meses de novembro e dezembro, período tradicionalmente de queda nas bilheterias; impulsionar a economia da cultura e contribuir com a formação de novas plateias.

O cancelamento da décima quinta edição da Campanha Teatro Para Todos, prejudica os profissionais das artes cênicas e a comunidade artística. Prejudica o amante do teatro e as classes menos favorecidas economicamente, que, na Campanha, têm a possibilidade de assistir à maioria dos espetáculos em cartaz. Prejudica a economia da cidade e da cultura.

A APTR lamenta o atual cenário de falência e descaso do poder público em relação à cultura, à arte em geral e ao teatro em particular, em nossa cidade. A consequência é o desmonte do setor, com verbas cortadas indiscriminadamente e editais não pagos, demonstrando, assim, a total falta de gestão e políticas públicas para o setor cultural.